em Provas & simulados

Entre todas as atividades que compõem o trabalho do professor, com certeza a correção de provas é a mais demorada e repetitiva. Identificar as respostas dos estudantes, uma por uma, compará-las com o gabarito, somar os pontos e determinar a nota final é, sem dúvida, um processo que exige muito tempo.

Geralmente o volume de trabalho é tão grande que o educador se vê obrigado a levar as provas para casa, comprometendo seu tempo de descanso e de lazer. A quantidade de energia gasta em correções também prejudica o seu desempenho em outros aspectos pedagógicos, como a atualização de conteúdos e a preparação de aulas. Essa é a realidade de muitos educadores brasileiros.

Mas não precisa ser assim. A tecnologia já permite hoje que os professores realizem a correção de provas de maneira automatizada, sem abrir mão da exatidão dos resultados, da segurança e, sobretudo, da avaliação adequada de cada aluno em sala de aula. Além da economia de tempo, o tratamento estatístico das notas permite ampliar o conhecimento sobre o aprendizado dos seus alunos.

Trata-se de uma solução que resulta em economia de tempo e energia. Vejamos como:

Quanto tempo (em média) o professor gasta com correção de provas

Vamos considerar que cada prova de múltipla-escolha possui em média 10 questões e que o professor leva aproximadamente 10 segundos corrigindo cada uma delas – contabilizando aí o manuseio das provas (ex.virar as páginas), fazer as marcações de certo/errado e somar os pontos.

Para cada prova será necessário, portanto, 1 minuto e 40 segundos (sem distrações ou intervalos). Numa turma de 30 alunos, o tempo total para corrigir todas as avaliações será de 50 minutos.

Bom, um professor não costuma dar aula somente para uma turma. Se pensarmos que ele leciona para cerca de cinco turmas diferentes com aproximadamente 30 alunos cada, a quantidade de tempo gasto com correção de provas saltará para 4 horas e 10 minutos.

Outro fator a se considerar: a cada bimestre o professor aplica, em média, duas provas por turma. O montante de horas agora já é de 8 horas e 20 minutos. Num ano letivo inteiro (quatro bimestres), o tempo investido em correção de provas chega a 34 horas: um dia e meio de trabalho ininterrupto, sem sono ou descanso!

Se pensarmos nas provas com itens discursivos, esse tempo será ainda maior.

Economizando tempo

A solução Meritt vem justamente para desafogar o professor da mecânica tarefa de corrigir provas e, assim, poupar seu tempo e esforço. Trata-se de uma economia de 80% ou mais nas horas destinadas à atribuição de notas.

Com o uso de uma folha de respostas pré-estabelecida, tudo o que o professor precisa fazer é escanear esta folha com o seu celular. O aplicativo faz a leitura das questões, contabiliza erros e acertos e confere a nota final. Além disso, encaminha todos os resultados automaticamente para o sistema da escola, evitando desperdício de tempo com funções burocráticas.

Quer saber mais sobre este aplicativo? Entre em contato conosco.